2

"Angina Pectoris"

                                             SISTEMA CARDIOVASCULAR(Voltado para clinica médica)


 Definição

Angina Pectoris
A angina, também denominada angina pectoris, é uma dor torácica transitória ou uma sensação de pressão que ocorre quando o miocárdio não recebe oxigênio suficiente.

As necessidades de oxigênio do coração são determinadas pelo grau de intensidade de seu esforço, isto é, pela rapidez e pela intensidade dos batimentos cardíacos.
 O esforço físico e as emoções aumentam o trabalho cardíaco e, consequentemente, aumentam a demanda de oxigênio do coração. Quando as artérias apresentam estreitamento ou obstrução de modo que o fluxo sanguíneo ao músculo não pode ser aumentado para suprir a maior demanda de oxigênio, pode ocorrer uma isquemia, acarretando dor.
Causas:
Aterosclerose,
Estenose aórtica,
Hipotensão,
Hipoxemia.
Fatores de Risco:
Esforço físico, ingestão de alimentos aumentada.
Emoções.
Exposição a baixas temperaturas.
Sintomas:
A isquemia do miocárdio provoca ataques de DOR de gravidade variável, desde a sensação de pressão subesternal, até a dor agonizante com sensação de morte iminente. Tem as seguintes características:
Sensação: aperto, queimação, esmagamento, enforcamento, “gases”, etc.
Intensidade: geralmente, discreta ou moderada. Raramente, forte.
Localização: retroesternal ou discretamente para a esquerda do esterno.
Irradiação: ombro esquerdo - braço esquerdo - cotovelo - punho - dedos. Pescoço - braço direito - mandíbula - região epigástrica - peito.
Duração: normalmente, dura 5 minutos (em média), podendo durar 15 a 20 minutos, em caso de raiva extrema.
Alívio: repouso.
Outros sintomas: dispneia, palidez, sudorese, tonturas, palpitações e distúrbios digestivos (náuseas, vômitos).
Diagnóstico:
Manifestações clínicas da dor.
Anamnese.
Teste de esforço: esteira rolante ou bicicleta.
ECG.
Angiografia coronariana.
Tratamento:
Tratamento é iniciado com medidas para se evitar a doença arterial coronariana, retardar sua progressão ou revertê-la através do tratamento das causas conhecidas (fatores de risco).
Os principais fatores de risco, como a hipertensão arterial e os elevados níveis de colesterol, são tratados imediatamente. O tabagismo é o fator de risco evitável mais importante da doença arterial coronariana.

Cuidados de Enfermagem:

Avaliar a respiração, a pressão sanguínea e frequência cardíaca em cada episódio de dor torácica.
Fazer um ECG, cada vez que a dor torácica surgir, para evidenciar infarto posterior.
Avisar o médico se a dor não diminuir.
Esclarecer o cliente/família acerca dos medicamentos que deverão ser tomados após a alta hospitalar.
Explicar a relação entre a dieta, atividades físicas e a doença.
Identificar junto ao cliente as atividades que provoquem dor.
Oferecer assistência de maneira calma e eficiente de modo a reconfortar o cliente até que o desconforto desapareça.
Prover um ambiente confortável e silencioso para o cliente/família.
Ajudar o paciente a identificar seus próprios fatores de risco.
Ajudar o paciente a estabelecer um plano para modificações dos fatores de risco.

Bom amigos blogger, para quem vem a pesquisar em prol da enfermagem, deem bastante valor aos cuidados de enfermagem aos sintomas pois eles fazem a diferença em nossa profissão e estudem se dediquem sempre,sempre mesmo se atualizando e se dedicando.
Beijos no coração!


2 comentários:

  1. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  2. Sou concluinte no curso técnico de enfermagem e amei sua página me ajudou muito na minha mini monografia. Continue sempre assim enfermagem não é trabalho e nem emprego enfermagem é dedicação e amor só fica na área quem gosta mesmo. Parabéns pela escolha. Mega Bjs e fique na paz luz para o seu caminho é o que eu desejo. :)

    ResponderExcluir