0

PNEUMONIA

                       Sistema respiratório(Voltado para clinica médica)

Inflamação do parênquima pulmonar causada por vários tipos de microorganismos e agentes químicos.
Causas

Bactérias -> pneumonia bacteriana por germes gram-positivos e gram-negativos.
Vírus -> pneumonia viral por vírus da influenza, parainfluenza e adenovírus.
Fungos -> pneumonia fúngica por cândida albicans e aspergillus.
Protozoários -> p. Parasitária por pneumocistis carinii: pacientes de AIDS.
Obs.: fungos e protozoários são considerados germes oportunistas, causam pneumonia após extenso uso de antibióticos, corticóides, antineoplásicos, ou em pessoas com AIDS, ou intensamente debilitadas.

A pneumonia também pode resultar de:

Aspiração brônquica de líquidos, alimentos, vômitos, etc,
Inalação de substâncias tóxicas ou cáusticas, fumaças, poeiras ou gases.
Complicação de imobilidade ou de doenças crônicas.

Classificação:

Adquirida na comunidade (até 48h);
Adquirida no hospital (depois de 48h);
No hospedeiro imunocomprometido;
Por aspiração.

Sinais e sintomas

Febre (40°),
Dor torácica,
Dispnéia,
Calafrios,
Cianose, tosse dolorosa e produtiva,
Escarro ferruginoso,


Cefaléia,
Náuseas,
Vômitos,
Mialgia,
Artralgia,

Lábios e Língua ressecadas.

Complicações

Derrame pleural**,
Abscesso,
Empiema**,
Hipotensão,
Bronquite crônica,
ICC.
Pneumonia Adquirida na Comunidade
 definida por aquela que acomete o paciente fora do ambiente hospitalar, ou que surge nas primeiras 48 horas, a partir da data de admissão.
Sinais e Sintomas


Início súbito de febre,
Calafrio,
Dor torácica,
Tosse com expectoração purulenta,
Cefaléia,
Astenia,
Anorexia.


A radiografia do tórax é imprescindível  no manejo das pneumonias, não somente  como elemento diagnóstico, como também, para  a avaliação da extensão do comprometimento  pulmonar e de sua gravidade; identificação  de complicações; monitorização da evolução  e da resposta ao tratamento.

Tratamento:

A escolha do antibiótico deve ser, sempre que possível, dirigida especificamente ao agente etiológico, mas isso raramente é disponível na avaliação inicial.
 Devem ser tratados ambulatorialmente os pacientes que não apresentam marcadores de gravidade. A maioria dos pacientes com PAC pode ser tratada em regime domiciliar.

Resposta Terapêutica
 Deve ser avaliada após três a cinco  dias de tratamento, quando há melhora  dos parâmetros:
 Clínicos – tosse, dispnéia, febre;
 Laboratorial – normalização ou melhora de leucócitos;
 Radiografia de Tórax – piora na 1ª semana.

Cuidados de Enfermagem

Oferecer e encorajar a ingestão de líquidos (6 a 8 copos ao dia);
Estimular mudança de decúbito de 2/2 horas, quando o cliente apresentar bom nível de consciência;
Encorajar mobilização no leito e atividade física conforme tolerado;
Orientar ou apoiar o tórax do cliente durante a tosse;
Fazer avaliação respiratória pela ausculta;
Incentivar a prática da respiração profunda e tosse eficaz.
Aspirar naso e orofaringe a intervalos curtos.
Orientar e encorajar o cliente a repousar o máximo possível;
Observar alterações na FR, FC, ocorrência de dispnéia, palidez ou cianose e disritmia, durante a atividade;
Avaliar o nível de tolerância do cliente a qualquer atividade.
Boa noite!!!!!

Nenhum comentário:

Postar um comentário