Mostrando postagens com marcador SISTEMA CARDIOVASCULAR. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador SISTEMA CARDIOVASCULAR. Mostrar todas as postagens
0

Trombose

http://enfermageandotc21.blogspot.com.br/
Oi como vai?
Bom dia,hoje tudo esta um pouco confuso para mim  parece... sei lá,pode até ser algo bom,estou deixando vocês confusos também,deixa pra lá tenho que me atualizar criar umas postagens interessantes, porque hoje é dia de Festa Junina...Acho que tenho que me divertir e vou.
Bora comigo nesse tema!Mas não é festa junina é trombose,que confusão...
0

"Miocardite"

SISTEMA CARDIOVASCULAR(Voltado para clinica médica)

Definição
Miocardite
A miocardite é uma doença inflamatória do músculo do coração.

A miocardite pode ser classificada como sendo: viral, aguda, fulminante ou hipertrófica dependendo do que originou a doença.
Sintomas:
Febre;
Dor muscular;
Dor no peito;
Tontura;
Desmaio;
Respiração muito rápida e ofegante;
Palpitações cardíacas;
Pernas inchadas.
Causas:
Infecção viral;
Uso de drogas ilícitas;
Infecção com o HIV;
Doença auto imune;
Fatores genéticos;
Diagnóstico:
Pesquisa de enzimas cardíacas;
Ecocardiografia;
Raio-x de tórax;
Exame de sangue;
Eletrocardiograma.
Tratamento:
O tratamento para miocardite pode ser feito com a uso de diuréticos, inibidores da enzima de conversão da angiotensina (ECA) ou antagonistas dos receptores de angiotensina e beta-bloqueadores adrenérgicos.
Diminuição de sal nas refeições;
Evitar os anti-inflamatórios não esteróides.
Miocardite viral 
A miocardite viral pode ser causada por vírus como Echovirus, herpes simples, varicela, hepatite, Epstein-Bar, vírus da gripe e citomegalovírus.
O intervalo de tempo típico entre o início da enfermidade viral e envolvimento cardíaco é de duas semanas.
O quadro clínico de miocardite é variável mas pode apresentar-se como uma enfermidade não específica caracterizada por cansaço e falta de ar, insuficiência cardíaca congestiva ou morte súbita.

Bom pessoas,deste "SISTEMA CARDIOVASCULAR" postei toda estas doenças:
Insuficiência  Cardíaca Congestiva
angina pectoris
Infarto Agudo do Miocárdio
Arritmias cardíacas
Varizes, Flebite e Trombose
 e enfim Miocardite.Beijos no coração,cuidem-se e até breve!


0

"Varizes, Flebite e Trombose"

SISTEMA CARDIOVASCULAR(Voltado para clinica médica)

Definição
Varizes, Flebite e Trombose
VARIZES são várias superfícies anormais e  dilatadas provocadas por incompetência da circulação venosa.
A FLEBITE é uma inflamação que ocorre na veia.
A TROMBOSE é quando se forma um coágulo de sangue no interior do vaso sanguíneo.
Quando as duas situações anteriores ocorrem simultaneamente, chamamos de trombloflebite.
Fatores de Risco:
As veias varicosas afetam as mulheres especialmente grávidas e pessoas cujas ocupações exijam ficar em pé ou sentados por períodos prolongados.
Ocorre com mais frequência nos membros inferiores, porém possam acontecer em outras partes do organismo ( ex: varizes esofágicas).
Também pode ocorrer em pessoas com Câncer, obesos, mulheres que fazem uso de contraceptivo oral, em coagulopatia, cirurgias.
Manifestações Clínicas:
Quando apenas as veias superficiais são afetadas, a pessoa pode não apresentar sintomas, mas pode ser pertubada pela aparência das veias dilatadas. Os sintomas quando presentes podem tomar a forma de dor contínua, câimbras e fadiga muscular aumentada nas pernas, edema de tornozelo e sensação de peso. Quando ocorre obstrução venosa profunda os sinais e sintomas são: edema, dor, pigmentação e ulcerações, infecção.
Medidas Preventivas:
Evitar meias e cintos apertados;
Evitar cruzar as pernas na altura das coxas ou sentar ou ficar em pé por longos períodos;
Mudar frequentemente de posição, especialmente os acamados;
Elevar as pernas quando estiverem cansadas;
Fazer caminhada ou outros exercícios físicos;
Utilizar as meias elásticas de cano longo, especialmente mulheres grávidas;
Avise seu médico se você tem um histórico de varizes, e faz uso de estrógenos;
Evitar fumar;
Procurar evitar traumatismo no braço ou na perna ( causado por uma queda) ou lesões das veias (causadas por injeções ou agulhas de aceso venoso);
Se estiver confinado a uma cama ou cadeira, alongue-se com frequência;
Estique os pés como se estivesse pisando em um acelerador e depois relaxe.
Faça movimentos com um pé e depois com o outro.
Tratamento:
Farmacológico: anticoagulantes;
Cirúrgico: fazendo a ligação de veias;
Paliativo: que a escleroterapia, uma substância química é introduzida dentro da veia.

Beijos enormes no coração!
6

"Arritmias cardíacas"

SISTEMA CARDIOVASCULAR(Voltado para clinica médica)

Definição
Arritmias cardíacas
As arritmias são distúrbios da freqüência e do ritmo cardíacos causados por alterações no sistema de condução do coração. Podem ocorrer em pessoas com o coração normal ou ainda como resposta a outras doenças, distúrbios eletrolíticos ou intoxicação medicamentosa. A freqüência cardíaca normal varia de acordo com a idade - quanto menor a idade, maior a freqüência. No adulto, pode oscilar entre 60 a 100 batimetos por minuto (bpm). As arritmias de freqüência podem apresentar-se como taquicardia (acima de 100 bpm), bradicardia (abaixo de 60 bpm), fibrilação (freqüência igual ou acima de 300 bpm).
Sinais e sintomas:
Dor no peito,
Palpitações,
Dispnéia,
Desmaio,
Alteração do pulso e do eletrocardiograma (ECG),
Hipotensão, insuficiência cardíaca , choque.
Diagnóstico:
O eletrocardiograma (ECG) - registra a atividade elétrica do coração.
Tratamento:
Medicamentos antiarrítmicos;
Cardioversão elétrica;  (* desfibrilação)
Implantação de marcapasso.
Cuidados de enfermagem:
Transmitir segurança à pessoa que apresenta arritmia, estabelecendo diálogo, possibilitando à mesma
expor seus sentimentos de impotência e insegurança, a fim de diminuir sua ansiedade;
Proporcionar sono e repouso adequados, garantindo ambiente livre de ruídos;
Monitorizar sinais vitais;
Oferecer oxigênio, se necessário, para reduzir a hipóxia causada pela arritmia;
Observar os cuidados com a administração de antiarrítmico (verificação de pulso antes e após a dosagem prescrita);
Orientar a família e a pessoa acometida sobre os procedimentos a serem realizados; e, quando a alta
for dada,
Destacar a importância do controle do estresse, de se evitar o uso do fumo e reduzir a ingestão de cafeína (café, chá mate, chá preto, refrigerantes a base de cola).

Bom nesta doença "Arritmias cardíacas" deixo para vcs uma pesquisa para fiz de conhecimento, entre a Cardioversão elétrica e a desfibrilação a grandes diferenças, pesquisem e sabaio mas a respeito, fica a dica e levem a serio.
Beijos no coração!
0

"Infarto Agudo do Miocárdio"

SISTEMA CARDIOVASCULAR(Voltado para clinica médica)


Definição

Infarto Agudo do Miocárdio 


 O infarto agudo do miocárdio (IAM) é uma situação grave causado pelo estreitamento de uma artéria coronária pela aterosclerose, ou pela obstrução total de uma coronária por êmbolo ou trombo, ocasionando a necrose de áreas do miocárdio. 
É a redução do fluxo sanguíneo também pode ser resultante de choque ou hemorragias Pode ser confundida com sintomas mais corriqueiros, tais como: flatulência, dor muscular, tensões, dentre outros. Vale lembrar que na angina o suprimento de sangue é reduzido temporariamente, provocando a dor, enquanto no IAM ocorre uma interrupção abrupta do fluxo de sangue para o miocárdio.

Fatores de risco para aterosclerose (fatores de risco cardiovascular)
O risco de ocorrer aterosclerose aumenta com a hipertensão arterial, níveis sanguíneos elevados de “colesterol ruim” (LDL-colesterol), níveis baixos de “colesterol bom” (HDL-colesterol), tabagismo, diabetes mellitus, obesidade (principalmente da cintura para cima ou abdominal), sedentarismo, estresse psicossocial, envelhecimento e a hereditariedade.
Sintomas:
Em geral, a aterosclerose não causa sintomas até haver produzido um estreitamento importante da artéria ou até provocar uma obstrução súbita. Os sintomas dependem do local de desenvolvimento da aterosclerose. Por essa razão, eles podem refletir problemas no coração, no cérebro, nos membros inferiores ou em praticamente qualquer região do corpo.
Prevenção e Tratamento:
Para evitar a aterosclerose, devem ser eliminados os fatores de risco controláveis: níveis sanguíneos elevados de colesterol, hipertensão arterial, tabagismo, obesidade e falta de exercício.
Medidas gerais:
Reduzir a ingestão de gorduras e colesterol.
Parar de fumar.
Controle dietético.
Tratamento de doenças como diabetes e hipertensão.
Manifestações Clínicas:
Dor torácica (principal sintoma) - dor súbita, subesternal, constante e constritiva, que pode ou não se irradiar para várias partes do corpo, como a mandíbula, costas, pescoço e membros superiores (especialmente a face interna do membro superior esquerdo). Muitas vezes, a dor é acompanhada de taquipnéia, taquisfigmia, palidez, sudorese fria e pegajosa, tonteira, confusão mental, náusea e vômito.
Qualidade, localização e intensidade da dor associada ao IAM pode ser semelhante à dor provocada pela angina. As principais diferenças são: a dor do IAM é mais intensa; não é necessariamente produzida por esforço físico e não é aliviada por repouso.
Diagnóstico:
   O Geralmente se baseia na história da doença atual, no eletrocardiograma e nos níveis séricos (sangüíneos) das enzimas cardíacas.
O tratamento pode ser clínico ou cirúrgico, dependendo da extensão e da área acometida.

Cuidados de Enfermagem:

Proporcionar um ambiente adequado para o repouso físico e mental;
Fornecer oxigênio e administrar opiáceos (analgésico e sedativo) e ansiolíticos prescritos para alívio da dor e diminuição da ansiedade;
Prevenir complicações, observando sinais vitais, estado de consciência, alimentação adequada, eliminações urinária e intestinal e administração de trombolíticos prescritos;
Auxiliar nos exames complementares, como eletrocardiograma, dosagem das enzimas no sangue, ecocardiograma, dentre outros;
Atuar na reabilitação, fornecendo informações para que o cliente possa dar continuidade ao uso dos medicamentos, controlar os fatores de risco, facilitando, assim, o ajuste interpessoal, minimizando seus medos e ansiedades...
Fica mas uma das doenças do "SISTEMA CARDIOVASCULAR"
Beijos no coração!

2

"Angina Pectoris"

                                             SISTEMA CARDIOVASCULAR(Voltado para clinica médica)


 Definição

Angina Pectoris
A angina, também denominada angina pectoris, é uma dor torácica transitória ou uma sensação de pressão que ocorre quando o miocárdio não recebe oxigênio suficiente.

As necessidades de oxigênio do coração são determinadas pelo grau de intensidade de seu esforço, isto é, pela rapidez e pela intensidade dos batimentos cardíacos.
 O esforço físico e as emoções aumentam o trabalho cardíaco e, consequentemente, aumentam a demanda de oxigênio do coração. Quando as artérias apresentam estreitamento ou obstrução de modo que o fluxo sanguíneo ao músculo não pode ser aumentado para suprir a maior demanda de oxigênio, pode ocorrer uma isquemia, acarretando dor.
Causas:
Aterosclerose,
Estenose aórtica,
Hipotensão,
Hipoxemia.
Fatores de Risco:
Esforço físico, ingestão de alimentos aumentada.
Emoções.
Exposição a baixas temperaturas.
Sintomas:
A isquemia do miocárdio provoca ataques de DOR de gravidade variável, desde a sensação de pressão subesternal, até a dor agonizante com sensação de morte iminente. Tem as seguintes características:
Sensação: aperto, queimação, esmagamento, enforcamento, “gases”, etc.
Intensidade: geralmente, discreta ou moderada. Raramente, forte.
Localização: retroesternal ou discretamente para a esquerda do esterno.
Irradiação: ombro esquerdo - braço esquerdo - cotovelo - punho - dedos. Pescoço - braço direito - mandíbula - região epigástrica - peito.
Duração: normalmente, dura 5 minutos (em média), podendo durar 15 a 20 minutos, em caso de raiva extrema.
Alívio: repouso.
Outros sintomas: dispneia, palidez, sudorese, tonturas, palpitações e distúrbios digestivos (náuseas, vômitos).
Diagnóstico:
Manifestações clínicas da dor.
Anamnese.
Teste de esforço: esteira rolante ou bicicleta.
ECG.
Angiografia coronariana.
Tratamento:
Tratamento é iniciado com medidas para se evitar a doença arterial coronariana, retardar sua progressão ou revertê-la através do tratamento das causas conhecidas (fatores de risco).
Os principais fatores de risco, como a hipertensão arterial e os elevados níveis de colesterol, são tratados imediatamente. O tabagismo é o fator de risco evitável mais importante da doença arterial coronariana.

Cuidados de Enfermagem:

Avaliar a respiração, a pressão sanguínea e frequência cardíaca em cada episódio de dor torácica.
Fazer um ECG, cada vez que a dor torácica surgir, para evidenciar infarto posterior.
Avisar o médico se a dor não diminuir.
Esclarecer o cliente/família acerca dos medicamentos que deverão ser tomados após a alta hospitalar.
Explicar a relação entre a dieta, atividades físicas e a doença.
Identificar junto ao cliente as atividades que provoquem dor.
Oferecer assistência de maneira calma e eficiente de modo a reconfortar o cliente até que o desconforto desapareça.
Prover um ambiente confortável e silencioso para o cliente/família.
Ajudar o paciente a identificar seus próprios fatores de risco.
Ajudar o paciente a estabelecer um plano para modificações dos fatores de risco.

Bom amigos blogger, para quem vem a pesquisar em prol da enfermagem, deem bastante valor aos cuidados de enfermagem aos sintomas pois eles fazem a diferença em nossa profissão e estudem se dediquem sempre,sempre mesmo se atualizando e se dedicando.
Beijos no coração!


0

"Insuficiência Cardíaca Congestiva"

                     SISTEMA CARDIOVASCULAR(Voltado para clinica médica)



Insuficiência Cardíaca Congestiva

 Definição

 Insuficiência Cardíaca Congestiva
 É uma condição grave na qual a quantidade de sangue bombeada pelo coração a cada minuto (débito cardíaco) é insuficiente para suprir as demandas normais de oxigênio e de nutrientes do organismo. 

Qualquer doença que afete o coração e interfira na circulação pode levar à insuficiência cardíaca, a exemplo da hipertensão arterial, arteriosclerose, infarto do miocárdio, miocardite, endocardite reumática, insuficiência aórtica, hipervolemia, deficiência alimentar prolongada e insuficiência renal.

Manifestações Clínicas:
As pessoas com insuficiência cardíaca descompensada apresentam cansaço e fraqueza compensada (a adrenalina e a noradrenalina fazem com que o coração trabalhe mais vigorosamente, ajudando-o a aumentar o débito sanguíneo e, até certo ponto, compensando o problema de bombeamento).
A insuficiência cardíaca direita
 tende a produzir acúmulo de sangue que flui para o lado direito do coração. Esse acúmulo acarreta edema dos pés, tornozelos, pernas, fígado e abdômen.
A insuficiência cardíaca esquerda
 acarreta um acúmulo de líquido nos pulmões (edema pulmonar), causando uma dificuldade respiratória intensa.
Diagnóstico:
Os eventos a seguir podem confirmar o diagnóstico inicial: pulso fraco e acelerado, hipotensão arterial, determinadas anomalias nas bulhas cardíacas, aumento do coração, dilatação das veias do pescoço, acúmulo de líquido nos pulmões, aumento do fígado, ganho rápido de peso e acúmulo de líquido no abdome ou nos membros inferiores.
Frequentemente, o desempenho cardíaco é avaliado através de outros exames, como a ecocardiografia, que utiliza ondas sonoras para gerar uma imagem do coração, e a eletrocardiografia, a qual examina a atividade elétrica do coração.
Tratamento:
Tornar a atividade física mais confortável, para melhorar a qualidade de vida e para prolongar a vida do paciente.
No entanto, não existe uma cura para a maioria das pessoas com insuficiência cardíaca.
tratamento da causa subjacente;
remoção dos fatores que contribuem para o agravamento da insuficiência cardíaca;
tratamento da insuficiência cardíaca em si.

Cuidados de Enfermagem:

Proporcionar conforto ao paciente;
dar apoio emocional;
Manter o paciente em repouso, observando o grau de atividade a que ele poderá se submeter;
Explicar antecipadamente os esquemas de rotina e as estratégias de tratamento;
Apoiar emocionalmente o cliente e familiares;
Promover ambiente calmo e tranquilo;
Monitorizar a ingestão e a excreção a cada 2 horas;
Manter a posição de fowler para facilitar a respiração;
Monitorizar a resposta ao tratamento diurético;
Avaliar a distensão venosa da jugular, edema periférico;
Administrar dieta hipossódica;
Promover restrição hídrica.

Bom amigos blogger o que eu tenho a dizer a respeito de clinica medica,matéria qual promete, e eu particularmente gosto muito, se focar nos sintomas das doenças e cuidados de enfermagem me diz tudo é a verdadeira essência do cuidado.
Beijos no coração!